quarta-feira , 21 novembro 2018
Mais Recentes
Home / Lição 12 – O Sudeste é Alcançado pela Mensagem Petencostal

Lição 12 – O Sudeste é Alcançado pela Mensagem Petencostal

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Nesta aula, você deve enfatizar o quanto Deus pode inverter nossas perspectivas. Sendo o Sudeste do país mais desenvolvido, qualquer pessoa imaginaria que o forte evangelizaria o mais fraco. Mas o Senhor levanta homens que, tornando-se fracos, ganham os fortes (1Co 9.22).

Evidencie nesta lição que mesmo um obreiro do perfil de Paulo pode se enganar em seus pensamentos (At 4.6-7). Porém, se vive em comunhão com o Espírito Santo, este revelará Sua perfeita vontade (At 4.9-10). E foi assim o processo de evangelização do Sudeste.

OBJETIVOS

  • Compreender o processo de evangelização da Região Sudeste;
  • Conhecer quem foram os pioneiros nos estados dessa região;
  • Refletir como a pregação pentecostal, iniciada sem recursos e no meio da floresta amazônica, pôde alcançar rapidamente uma região tão desenvolvida.

PARA COMEÇARA AULA

Pergunte a seus alunos qual a região mais desenvolvida do Brasil. Então comece a aula identificando essa região no mapa que você vem utilizando. Peça que seus alunos citem e apontem cada estado.

Peça que falem por que o Sudeste é a região mais desenvolvida. Com esse gancho, aproveite para anunciar que hoje estudaremos como foi o processo de pregação pentecostal em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais.

RESPOSTAS DAS PERGUNTAS

1)        Gunnar Vingren.

2)        Santos.

3)        1924.

 

O SUDESTE É ALCANÇADO PELA CHAMA PENTECOSTAL

ORGANIZAÇÃO DA LIÇÃO 12 NA REVISTA:

 

INTRODUÇÃO

 I. RIO DE JANEIRO, A CAPITAL

  1. Rio de Janeiro, 1923
  2. Vingren, o primeiro pastor
  3. Convenções


II. SÃO PAULO

  1. O começo em Santos
  2. Chega à capital
  3. Mais igrejas do Sudeste


III. ESPÍRITO SANTO E MINAS GERAIS

  1. Espírito Santo, 1924
  2. Minas Gerais, 1927

APLICAÇÃO PESSOAL

 

INTRODUÇÃO

Hoje, estudaremos sobre a chegada do avivamento à região Sudeste. Depois do Norte, foi essa região que mais conviveu com os missionários fundadores da Assembleia de Deus. Rio de Janeiro, antigo Estado da Guanabara e ex-capital nacional, recebeu Gunnar Vingren e família. Vitória e São Paulo, o nosso amado irmão Daniel Berg.

Pela sua posição de centro econômico do País, o Sudeste sempre manteve forte intercâmbio com o avivamento no Norte. Dos 8 pastores que presidiram a igreja em Belém do Pará, cinco transferiram-se depois para o Rio de Janeiro. Em alguns casos, conciliavam o serviço do Senhor entre Rio e Belém.

Em ordem cronológica, seguiram para o Rio: Gunnar Vingren, Samuel Nystrõm, Nels Nelson, Francisco Pereira do Nascimento e Alcebíades Vasconcelos.

 

I. RIO DE JANEIRO, A CAPITAL

1. Rio de Janeiro, 1923. O pentecostes chegou ao Rio de Janeiro em 1923. Crentes de Belém do Pará se mudaram para o estado da Guanabara, à época Distrito Federal, alguns em razão de trabalho. Os pioneiros Eduardo e Florinda de Souza Brito moravam na rua Senador Alencar, 17, bairro de São Cristóvão. Ali houve os primeiros cultos.

Entre os irmãos do Norte, estavam os pastores Adriano Nobre e Heráclito de Menezes. Este organizou cultos e a Escola Dominical vespertina. Nessa casa, Jesus balizou com o Espírito Santo a irmã Antonieta de Faria Miranda. Com o crescimento de congregados, os irmãos reuniram-se para organizar a Assembleia de Deus no estado do Rio de Janeiro. Convidaram Adriano Nobre e João do Nascimento para pastoreá-los. Porém, eles não aceitaram o encargo.

2. Vingren, o primeiro pastor. A igreja elegeu Heráclito de Menezes como pastor interino, João Nascimento para diácono e o jovem Paulo Leivas Macalão para secretário. Era o dia 30 de abril de 1924. A obra de Deus floresceu no Rio de Janeiro em todas as direções: Niterói, Duque de Caxias, Belford Roxo e Petrópolis estão entre os primeiros lugares alcançados. Por direção de Deus, Heráclito de Menezes valeu-se da costumeira prática: escreveu à Igreja-Mãe, pedindo o envio de um obreiro. Em resposta, Belém enviou seu próprio pastor, Gunnar Vingren e sua esposa Frida, que chegaram ao Rio de Janeiro em 3 de junho de 1924. Na Igreja em Belém, substituiu-lhe o pastor Samuel Nyström.

Nos Estatutos da Assembleia de Deus no Rio de Janeiro, segundo relata Gunnar Vingren, a igreja foi fundada em 22 de junho de 1924.

Pastores da igreja: Gunnar Vingren, Samuel Nystrõm, Nils Kastberg, Otto Nelson, Nels Nelson, Francisco Pereira do Nascimento, Alcebíades Pereira Vasconcelos, Tulio Barros Ferreira, Jesse Maurício Ferreira.

Na manhã de 29 de junho de 1924, na praia do Caju, Gunnar Vingren batizou os primeiros crentes. Entre os candidatos, estavam Maria Rosa Rodrigues, Florinda Brito e Paulo Leivas Macalão, que mais tarde foi consagrado a Pastor e pioneiro da igreja ministério e convenção de Madureira.

3. Convenções. A Assembleia de Deus cresceu rapidamente e trouxe consigo alguns desafios, inclusive o surgimento de diversas lideranças, as quais, ao longo do tempo, se agregaram em diversos Ministérios e Convenções nacionais, dentre as quais citamos para exemplificar:

a) CGADB – Convenção Geral das Assembleia s de Deus No Brasil.

b) CONAMAD – Convenção Nacional das Assembleia s de Deus no Brasil – Ministério de Madureira.

c) CADB – Convenção da Assembleia de Deus.

 

II. SÃO PAULO

1. O começo em Santos. A obra pentecostal no estado de São Paulo começou pelo litoral, em Santos. A data é 5 de maio de 1924. A igreja surgiu espontaneamente pela presença de crentes provenientes de Recife. Entre eles, estava o casal Vicente e Hermínia Limeira. Seguindo o repetido gesto do Movimento Pentecostal, crentes pediram que o Dono da seara enviasse um pastor. Em resposta, veio Daniel Berg. Ele esteve à frente da igreja até meados de 1925, quando foi substituído pelo missionário John Sorhein. Seguiram-lhes: Simon Lundgren, Clímaco Bueno Aza, Francisco Gonzaga da Silva etc.

Galeria de pastores da Igreja: Daniel Berg, John Sorhein, Simon Lundgren, Clímaco Bueno Aza, Bruno Skolimowsky, João Alves Corrêa. Em 1993 o pastor Paulo Alves Corrêa assume a presidência da Igreja.

2. Chega à capital. Na capital, coube também a Daniel Berg o pioneirismo. Acompanhado de Sara Berg, o missionário chegou a São Paulo no dia 15 de novembro de 1927. Sem nenhum conhecido na cidade e sem recursos, o casal alugou uma humilde casa no bairro despovoado de Vila Carrão. Na pequena sala, começaram a dirigir cultos com duas ou três pessoas. Jesus estava presente e a obra logo prosperou.

Daniel Berg batizou os dois primeiros convertidos no dia 4 de março de 1928. As reuniões mudaram para a avenida Celso Garcia, 1209. Após outros endereços, a sede foi estabelecida na rua Cruz Branca, 35. Daniel Berg dirigiu a obra em São Paulo até 1930, quando, por motivo de doença, viajou para Suécia.

À frente da igreja, estiveram importantes nomes da liderança pentecostal. Citamos: Samuel Nyström, Samuel Hedlund, Simon Lundgren, Bruno Skolimowski, Cícero Canuto de Lima e José Wellington Bezerra da Costa.

3. Mais igrejas do Sudeste. A mais do já mencionado no texto desta lição, o Sudeste abriga outras importantes igrejas, ministérios, convenções e pastores da Assembleia de Deus, como: Madureira (Abner e Samuel Ferreira), Cubatão (Carlos Roberto), Jandira (Samuel Rodrigues), Ipiranga (Alcides Fávaro), São José dos Campos (Philipe Câmara), Santo Amaro (Galdino Jr.), Santo André (Silas Daniel), Vitória cm Cristo (Silas Malafaia), Fonseca, em Niterói (Celso Brasil), Ilha do Governador (Eliseu Menezes).

 

III. ESPÍRITO SANTO E MINAS GERAIS

1. Espírito Santo, 1924. Segundo escreveu Emílio Conde em 1960, Galdino Sobrinho e esposa, crentes pentecostais, chegaram à capital do Espírito Santo no ano de 1922. E permaneceram anos sem assistência pastoral. Em 1924, o missionário Daniel Berg viajou para Vitória a fim de implantar uma igreja. Ali, durante alguns meses, dirigiu cultos na rua Santo Antônio e evangelizou. Porém, não há registros desse período. Mas, no ano de 1928, chegaram à capital capixaba sete membros da Assembleia de Deus em Aracaju, Sergipe.

Imediatamente começaram a testificar a mensagem pentecostal. O resultado foi a conversão de muitas pessoas. Por isso, pediram auxílio à igreja sergipana, que enviou o pastor João Pedro da Silva, em 9 de maio de 1929. Trinta pessoas estavam presentes no culto desse dia.

Em 8 de junho de 1930, João Pedro Silva efetuou o primeiro batismo. A primeira congregação foi organizada no bairro de Santa Lúcia. A obra não parava de crescer. Esse fato é notório na notícia enviada pelo pastor Pedro Silva ao Mensageiro da Paz de outubro de 1931: “No mês de junho batizei nas águas 27 novos crentes, e no (…) mês de agosto, batizei número igual, isto é, 27 pessoas”.

2. Minas Gerais,1927. Coube ao colombiano Clímaco Bueno Aza a implantação da Assembleia de Deus no estado de Minas Gerais. Bueno Aza chegou a Belo Horizonte em fevereiro de 1927. Não havia notícia da existência de crentes. Mas, para Clímaco, isso não fazia diferença. Ele andava pelo Espírito de Deus e sabia que o mundo tem sede de salvação. Clímaco foi morar com sua família na rua Peçanha, esquina da rua Paraíso.

Logo Jesus começou a batizar com o Espírito Santo. Entre os primeiros crentes, estavam Antônio Gomes, Antônio Lopes de Oliveira, Valdomiro Peres e José Alves Pimentel.

Segundo o site oficial da igreja na capital mineira, a data de início da Assembleia de Deus em Minas Gerais é 17 de março de 1927. Clímaco construiu um pequeno templo. A inauguração foi em 15 de janeiro de 1929.

Galeria de pastores: 1931- Nils Kastberg, 1934 – Algot Svenson, 1957- Anselmo Silvestre, 2009- Moisés Silvestre Leal, 2015- Simoni Hélio de Moraes.

 

APLICAÇÃO PESSOAL
Que as gerações mais recentes da Assembleia de Deus conheçam o labor, a fé e o desprendimento material de seus pioneiros e honrem a nossa História.

 

RESPONDA

1) Quem é o fundador da Assembleia de Deus no Rio de Janeiro?

2) Em que cidade começou a Assembleia de Deus em São Paulo?

3) Qual o ano em que Daniel Berg chegou em São Paulo e no Espírito Santo?