quarta-feira , 21 novembro 2018
Mais Recentes
Home / Lição 11 – O Nordeste recebe a Chama Pentecostal

Lição 11 – O Nordeste recebe a Chama Pentecostal

O NORDESTE RECEBE A CHAMA PENTECOSTAL

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Caro professor, esta aula nos mostra que a obra do Senhor pode ser feita por todos os salvos, independente de título. Estados como Ceará e Paraíba, Piauí e Sergipe foram evangelizados por irmãos, que, ao serem batizados com o Espírito Santo, sentiram-se comissionados pelo Ide de Jesus (Mc 16.15).

Portanto, converse com seus alunos sobre o quanto podemos ser úteis a Deus se primeiro obedecermos a Ele. Fale também o quanto os trabalhadores do Senhor devem estar dispostos a pagar o preço pela salvação de vidas (Ap 20.10).

 

OBJETIVOS

  • Compreender o processo de evangelização da Região Nordeste;
  • Conhecer quem foram os pioneiros nos estados dessa região;
  • Refletir sobre o papel de todos os salvos na expansão do evangelho.

 

PARA COMEÇARA AULA

Caso você esteja em outra região, pergunte a seus alunos quais deles provêm do Nordeste.

Peça que digam quantos e quais são os estados dessa região. Como na aula anterior, tenha um mapa político do Brasil afixado num quadro. A cartolina utilizada na aula passada pode ser útil também, bem como o mapa constante daquela lição.

 

LEITURA COMPLEMENTAR

A igreja nordestina representou a “Judeia” do centro missionário, estabelecido por Deus em Belém do Pará no começo da obra pentecostal (At. 1.8). Praticamente, cem por cento de seus primeiros líderes provêm da Igreja-mãe (…).

Salvador envia oferta ao Pará em 1919. Embora 1926 seja apontado como início da obra no estado baiano, o livro “Caixa” de Gunnar Vingren tem um registro interessante.

No dia 5 de agosto de 1919, o missionário anotou a seguinte oferta:

Da Bahia para os leprosos do Tucunduba 10.000 (10 mil réis)

O lançamento é importante porque, uma vez que a Assembleia de Deus não havia oficialmente chegado àquele estado, de onde proviria a doação? Sem intermediários, como poderia, por exemplo, receber recursos públicos para esse asilo de leprosos de Belém, onde o frei Daniel de Samarate ficou internado em 1914 com hanseníase?

Por outro lado, o modo como a oferta foi lançada revela certa familiaridade com aquele estado. “Da Bahia” nos faz pensar que, de algum modo, a mensagem pentecostal iniciada em Belém do Pará já havia chegado às terras de Rui Barbosa em 1919.  (…)

No Maranhão, João Jonas escapa da morte. Não se pode deixar de registrar o magnífico ministério do húngaro conhecido por João Jonas. Ele foi um verdadeiro apóstolo pentecostal em solo maranhense. Percorreu a pé muitas terras. Estabeleceu a igreja em Dom Pedro. Entre as milhares de vidas que levou aos pés de Cristo, temos o valoroso pastor Alcebíades Vasconcelos.

A igreja no estado do Maranhão passou por muitas lutas. João Jonas escapou da morte muitas vezes.

Em culto dirigido pelo pastor Otoniel Alves de Alencar, um frade italiano convocou uma turba contra os servos de Deus. Os arruaceiros quebraram o púlpito, o lampião e ainda surraram dois irmãos idosos, que faleceram dias depois em consequência da agressão. Irmã Augusta Alencar, esposa do pioneiro, por livramento de Deus não sofreu um aborto, em consequência das pedradas e pauladas que sofreu.

Revista: “A Riqueza de nossa História em 13 Lições” (In. revista Centenário da Assembleia de Deus. Belém-PA, 2011, pgs. 65-67).

 

DEVOCIONAL DIÁRIO

Segunda Gn 13.10 Aparências enganam

Terça 2Pe 2.9 Deus resgata os Seus

Quarta Mt 5.28 O perigo do olhar

Quinta Hb 11.6 A fé agrada a Deus

Sexta Gn 19.26 Desapego material

Sábado Mc 16.16 Condenação aos que não creem

 

TEXTO ÁUREO

“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não
veem” Hb 11.1

 

LIÇÃO 11 O NORDESTE RECEBE A CHAMA PENTECOSTAL

 

Estudada em 10 de junho de 2018

 

LEITURA BÍBLICA

Hebreus 11.1-6

1 Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.

2 Pois, pela fé, os antigos obtiveram bom testemunho.

3 Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem.

4 Pela ié, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifído do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda feia

5 Pela fé, Enoque foi trasladado paia não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus.

6 De feto, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se toma galardoador dos que o buscam.

 

Hinos da Harpa: 100 – 220

 

O NORDESTE RECEBE A CHAMA PENTECOSTAL

 

INTRODUÇÃO

I. CEARÁ, ALAGOAS E PERNAMBUCO

  1. Ceará
  2. Alagoas
  3. Pernambuco

II. PARAÍBA, RIO GRANDE DO NORTE, E MARANHÃO

  1. Paraíba
  2. Rio Grande do Norte
  3. Maranhão

 

III.     BAHIA, SERGIPE E PIAUÍ

  1. Bahia
  2. Sergipe
  3. Piauí

 

INTRODUÇÃO

Nordeste, por sua definição, significa o leste do norte. Exatamente por isso, essa região foi também uma das primeiras áreas alcançadas pela mensagem pentecostal. Com aspectos geopolíticos diferentes do resto do País, a evangelização do Nordeste representa um dos capítulos mais magníficos da obra pentecostal.

 

I. CEARÁ, ALAGOAS E PERNAMBUCO

  1. Ceará. O Evangelho pentecostal chegou ao Ceará em 1914 através da irmã Maria de Jesus Nazareth de Araújo, a segunda pessoa brasileira batizada com o Espírito Santo.

Ardendo pela presença de Deus, irmã Nazareth viajou para a Serra de Uruburetama, à cidade de São Francisco de Uruburetama (atual município de Itapagé), a fim de testificar a seus parentes. Pregou também para alguns irmãos de uma igreja tradicional, os quais receberam a mensagem pentecostal com alegria, assim como para várias pessoas que se converteram.

A irmã Nazaré, então, enviou um telegrama à igreja em Belém relatando as boas novas ocorridas em sua terra natal. Empolgado com tais notícias, Gunnar Vingren enviou o pastor Adriano Nobre, cearense, para estabelecer a fundação da Assembleia de Deus no Ceará, ato realizado no dia 20 de

julho de 1914, na Fazenda Lagoinha, com um culto que ficou marcado por muitas conversões e pela manifestação do poder pentecostal. Esta é a data oficial de fundação das Assembleias de Deus no Estado do Ceará.

Quanto ao início da obra na capital cearense por Ester Anderson, em 1921, numa rua do centro de Fortaleza, infelizmente não há registros conhecidos. Somente com a vinda do pastor Antonio Rego Barros, enviado pela Igreja-Mãe, em abril de 1922, é que surgem os primeiros congregados no bairro do Cocó, onde se localiza atualmente a Congregação do Parque Buenos Aires.

Quando o pastor Antonio Rego Barros regressou a Belém do Pará, por motivo de um grave problema de saúde, na sua ausência cooperaram com os trabalhos os pastores José Teixeira Rêgo e Bruno Skolimowski, cabendo a este efetuar o primeiro batismo em águas em Fortaleza no mês de julho de 1923. Somente em 1929, o pastor Antonio Rego Barros retornaria para oficializar a fundação da Assembleia de Deus em Fortaleza, fato ocorrido no dia 07 de setembro do mesmo ano.

 

  1. Alagoas. Gunnar Vingren visitou Maceió em 1914. Em 21 de agosto de 1915, o missionário Otto Nelson e sua esposa, Adina, enviados pela Igreja-Mãe, chegam a Maceió a bordo de um navio da companhia Lloyd Brasileiro. Havia seis pessoas crentes. Reuniram-se no primeiro culto dia 25 de agosto, quando Jesus batizou três irmãos com o Espírito Santo.

As lutas foram muitas. Otto Nelson foi impedido de sepultar um filho no cemitério da cidade. O sacerdote local levantou a população contra o homem de Deus. O enterro só pôde acontecer de noite, sob proteção policial.

 

  1. Pernambuco. Por ordem de instalação, Pernambuco foi o quarto estado brasileiro a receber o evangelho pentecostal, antecedidos pelo Pará, Ceará e Alagoas. Adriano Nobre foi enviado pela Igreja-Mãe para Recife, em 1916. Encontrou ali alguns crentes de outras denominações interessados no avivamento. Entre eles, estava João Ribeiro da Silva, em cuja casa foi iniciado o trabalho nessa cidade. A casa ficava na rua Ponte Velha, No. 27, bairro dos Coelhos.

Às margens do rio Capibaribe, Adriano Nobre batizou os dois primeiros assembleianos, no ano de 1917. Eram Francisco Ramos e uma irmã de prenome Luíza. Irmã “Lulu” como era chamada, foi também a primeira pessoa batizada com o Espírito Santo em Pernambuco.

Com o regresso de Adriano Nobre ao Pará, a Igreja-Mãe enviou a Pernambuco Joel Carlson e esposa, Signe Carlson, em 20 de outubro de 1918. Carlson presidiu a igreja até 15 de abril de 1937. Seu substituto foi José Bezerra da Silva.

 

I. PARAÍBA, RIO GRANDE DO NORTE E MARANHÃO

  1. Paraíba. O paraibano Manoel Francisco Dubu (irmão Dubu), primeiro brasileiro a receber o batismo com o Espírito Santo, retornou do Pará à sua terra natal, a cidade de Alagoa Grande, em 17 de dezembro de 1914, levando a pregação pentecostal.

Por sua vez, o jornal “Boa Semente” publicou uma carta de autoria de Vitalino Bezerra da Silva, ainda no começo de 1920. A matéria fala do Movimento Pentecostal em Guarabira. Em 1 de janeiro de 1923, chegaram à capital paraibana o missionário sueco Simon Sjõgren e sua esposa, Agnes.

A obra progrediu debaixo de muita perseguição. Um vizinho do casal tentou matar os missionários envenenando leite. Mas Deus guardou seus servos.

Em 24 de junho de 1924, chegou à capital da Paraíba Cícero Canuto de Lima, convertido ao Evangelho aos 25 anos de idade em Timboteua, Pará. Presidiu a igreja em sua terra até 1939.

 

  1. Rio Grande do Norte. A história da Assembléia de Deus no Rio Grande do Norte teve início com algumas famílias que retornaram de Belém em 1916. Entre outros, estavam Antônio Felipe Bezerra e sua esposa Luíza Bezerra, irmã “Luizinha”. Também a família do ex-presbiteriano Francisco César, este batizado com o Espírito Santo. Todos almejavam testificar a seus parentes.

cisco César, este batizado com o Espírito Santo. Todos almejavam testificar a seus parentes.

Em 1918, com algumas conversões, os pioneiros já constituíam um pequeno grupo. Nesse mesmo ano, escreveram a Belém solicitando um obreiro. Em resposta, o missionário Gunnar Vingren enviou a Natal o pastor Adriano Nobre. Segundo consta da história potiguar, em 15 de abril de 1918, Adriano Nobre batizou os primeiros crentes no rio Potengi, junto à ponte de Igapó.

 

  1. Maranhão. A mensagem pentecostal chegou ao Maranhão por intermédio do pastor Clímaco Bueno Aza. Segundo o que Gunnar Vingren anotou em seu livro “Caixa”, Belém levantou uma oferta de 106 mil réis no dia 10 de março de 1921 para essa viagem missionária. Experiente em viajar, Clímaco enviou cem mil réis através de depósito bancário para São Luís (MA],

Segundo Emílio Conde, o primeiro culto pentecostal aconteceu na casa de No. 149 da rua 7 de Setembro, propriedade de Propécio Lobato, que veio tornar-se o primeiro diácono da nova igreja. A data oficial de fundação da Assembleia de Deus no Maranhão, na capital São Luís, é 15 de janeiro de 1922.

Após Clímaco Bueno Aza, assumiram a obra em São Luís, entre outros: Manoel de Jesus da Penha,

Manoel César da Silva, Luís Hygino de Souza, José Bezerra Cavalcante, José Pinto de Menezes, Alcebíades Pereira Vasconcelos, Estevam Ângelo de Souza e José Coutinho.

 

III. BAHIA, SERGIPE E PIAUÍ

  1. Bahia. A obra pentecostal na Bahia começou em 1926 pelo sul do estado e está ligada ao nome de Joaquina de Souza Carvalho. Chegando ao estado, Joaquina pôs-se a testificar sobre o avivamento e logo reuniu pessoas. Segundo registrou o pastor Alcebíades Vasconcelos, Joaquina escreveu a Belém do Pará.

Em resposta, a Igreja-Mãe enviou o pastor João Pedro da silva que realizou vários cultos ao ar livre. Este levou às águas batismais o primeiro grupo de crentes, sendo vinte deles já batizados com Espírito Santo. Em 1929, Otto Nelson, que liderava o trabalho em Alagoas, deu posse a Teodoro Feliciano Santana, que fora diácono da Igreja Batista até 1924, “tendo um profícuo ministério na Assembléia de Deus. Em Salvador, a igreja foi oficializada em 1930.

Emílio Conde afirma que a mudança de Otto Nelson de Alagoas para Salvador foi uma resposta de oração. João Domingos, um pioneiro da obra pentecostal no Pará, recente na capital baiana, clamava aos céus por um pastor na cidade.

 

  1. Sergipe. A obra em Sergipe começou em sua capital, em 1927. Ormínio, que servia ao Exército, mudou-se de Belém para Sergipe. Em seu coração, levava a tocha acesa no Norte do país. Logo diversas pessoas aceitaram a Cristo. Ele comunicou-se com o pastor João Pedro da Silva, que nesse tempo cooperava com o missionário Otto Nelson em Alagoas.

Em 1928, Pedro da Silva batizou os primeiros crentes. Em 18 de fevereiro de 1932, o missionário Otto Nelson oficializou a Assembleia de Deus em Sergipe.

Em sua história, aparecem como líderes, além de Otto Nelson, João Pedro da Silva, Antônio Beltrão, Agenor Batista de Azevedo e outros.

Emílio Conde nos conta que a cadeia vivia sempre lotada de crentes. Ali, eram espancados pelos policiais. Irmãs eram obrigadas a varrer as ruas, a cadeia e até a igreja católica local. Mas, não murmuravam. Louvavam a Deus, deixando os revoltosos mais perplexos ainda.

 

  1. Piauí. O Movimento Pentecostal no Piauí data de 1927. Atribui-se a semeadura à visita do amazonense Raimundo Prudente de Almeida. Em 1930, já havia um grupo pentecostal na cidade de Flores, atual Timon (MA). Em 1932, Alfredo Carneiro da Silva, um combatente do Exército Brasileiro, regressando de serviço no Sul, em passagem por São Luís, entrou em contato com o pastor Manoel César da Silva.

Nessa ocasião, “Neco” César mostrou-lhe uma carta, em que irmãos na cidade de Flores pediam um pastor. Em seguida, solicitou que o viajante, em seu nome, visitasse aquelas pessoas. Chegando a Flores, Alfredo Carneiro ficou tocado com a carência na obra do Senhor. Ali mesmo, resolveu abandonar seu ofício militar e ingressar nas fileiras do exército celestial. Ao lado de Manoel César da Silva, tornou-se um dos pioneiros na liderança da Assembleia de Deus em Teresina.

 

APLICAÇÃO PESSOAL

O Nordeste foi a região onde os ventos foram mais contrários à chegada do pentecostes, deixando longos rastros de lágrimas de seus pioneiros. É importante que a geração atual de nossa igreja conheça e valorize esta saga de oração, dores e lágrimas e do alto preço que foi pago pelos homens e mulheres que lançaram os fundamentos desta obra.

 

 

RESPONDA

1)        Qual o primeiro estado do Nordeste a receber a pregação pentecostal?

2)        Quem efetuou os primeiros batismos no Rio Grande do Norte e em Pernambuco?

3)        Quem evangelizou Sergipe?